Clube de Teatro 3 Pancadas

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO


CLUBE DE TEATRO

3 PANCADAS


Sobre Helena de Esparta nunca foi a Tróia?


No passado dia 9 de junho de 2022, assistimos ao espetáculo “Helena de Esparta nunca foi a Tróia”, notavelmente levado à cena no nosso auditório pelo Três Pancadas – Clube de Teatro Dr. Vieira de Carvalho.


Este projeto bastante ambicioso foi completado em tempo recorde, tendo em conta que a retoma de atividades do clube apenas se deu a meio do ano letivo, ao contrário de espetáculos anteriores, que foram preparados ao longo de vários meses. Porém ambição deste projeto não se cingiu só ao espaço tempo, mas, e principalmente, à ousadia de trabalhar sobre a égide o tema mais complexo da Cultura Clássica: a Guerra de Tróia, com um texto de autor difícil. O resultado, ainda assim, não ficou aquém do expectável e evidenciou o talento dos jovens alunos da Escola para a representação.


As personagens principais – Helena e Páris – foram asseguradas por dois alunos finalistas, que mais uma vez demonstraram a sua experiência em palco, revelando grande expressividade, talento, dedicação e sensibilidade. Não atrás ficou o jovem interprete de Calças, que impressionou com os seus monólogos e perícia para a comédia. A figura do Corifeu – Chefe do Coro que nesta peça compunha o séquito da Rainha Helena e das jovens casadoiras – foi brilhantemente interpretado por duas atrizes que demostraram um excelente domínio do texto, do palco, dos momentos de silêncio e uma notável capacidade expressiva. As nossas atrizes mais pequeninas assumiram a personagem mais importante do teatro greco-latino: o Coro, sendo, por vezes, uma personagem coletiva, voz e consciência que narra o enredo, explica-o e convida o espetador à reflexão, e também, uma personagem individual que personifica, neste caso, falsidade, a intriga e a inveja. Estas pequenas preciosidades - que na sua maioria tiveram o seu primeiro contacto com a arte de representar durante este ano –, pela inexperiência, pelo nervosismo e pela pressão que o malvado do encenar faz, durante os ensaios pareciam frágeis, seres que facilmente se quebrariam, no entanto, revelaram-se ser autênticos “animais de palco” e as pedras angulares que sustentaram toda a arquitetura teatral.


De realçar ainda a encenação que teve como intuito primordial colocar a palavra da Mulher em relevo, “defendendo” Helena e corrigir as calúnias e injustiças que a História, mesmo a mitológica, lhe têm assujeitado. Esta encenação, com um texto ambicioso, como já referimos, ajudou a dar ritmo ao enredo proporcionou a participação dos membros mais jovens em cenas de conjunto, levou-nos à (auto)reflexão. A sonoplastia e o desenho de luz, os figurinos, o posicionamento em palco, e a dinâmica do elenco, tudo isso foram aspetos tidos em conta com elevado profissionalismo, o que nem sempre é visto nestes projetos de índole escolar.


Por fim, mas não menos importante, saudamos a excelente cooperação da responsável e dinamizadora do Três Pancadas, a professora Ida Santos e do encenador Nuno Campos Monteiro, que com a ajuda da professora Ana Paula Reis, os apoios da Direção e da Associação de Pais, têm mantido o clube de teatro e estimulando os nossos alunos para a cultura e para o livre pensamento. Congratulamos todos e de uma forma principal o clube de teatro Três Pancadas pelo regresso aos palcos, fazendo votos de que no pós-pandemia reanime a sua atividade e nos continue a brindar com estes momentos de diversão e cultura.