NONHLE MBUTHUMA África do Sul

Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho

Nonhle Mbuthuma não vai parar. É ela que lidera a luta da sua comunidade contra uma empresa mineira que quer explorar titânio na sua terra ancestral e de uso comunitário. Tem sido alvo de perseguição devido às suas ações em defesa dos seus direitos. Nonhle faz parte da comunidade tradicional de Amadiba que, por sua vez, tem o direito à terra na zona do Cabo Oriental da África do Sul. Cerca de 5000 pessoas correm o risco de serem forçosamente desalojadas caso a empresa seja autorizada a explorar essa terra – podem perder as suas casas, meios de subsistência e toda a sua identidade. Nonhle e a sua comunidade fundaram o Comité de Crise de Amadiba para unir os habitantes de 5 vilas diferentes a defenderem os seus direitos à terra. Desde então, Nonhle tem sido intimidada, ameaçada e sobreviveu a uma tentativa de assassinato. Infelizmente, um outro líder da comunidade foi morto a tiro em 2016, e Nonhle ocupava o lugar seguinte nessa “lista de alvos”. Ela acredita que as ameaças são uma tentativa de silencia-la e de a forçar a fugir da sua terra. Mas ela está decidida a resistir, e refere: “Quando me tiras a minha terra, tiras-me a minha identidade. (…) Esta terra era da minha avó, que a herdou dos seus avós. O que é que vou deixar para os meus filhos? A exploração mineira não é uma opção.”

Apele ao presidente da África do Sul para proteger Nonhle Mbuthuma e investigar as perseguições e intimidações de que é alvo.

 

NONHLE MBUTHUMA

 

 

Em causa: Defensora de direitos humanos;

direitos económicos, sociais e culturais;

direitos ambientais; responsabilização

empresarial; direito à terra

PERSEGUIDA POR DEFENDER UMA

TERRA ANCESTRAL